Bem vindos

Obrigada pela visita. Sintam se a vontade para: comentar, dar dicas, trocar experiências...
Espero poder contribuir na caminhada de todos os leitores, assim como tenho recebido contribuições na minha busca pelos meus objetivos.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Em busca do equilibrio parte II

Oi, dei uma sumida, eu sei, mas ando em crise! Em breve estarei de volta com noticias... Por enquanto Só um poema do Fernando Pessoa

O que há em mim é sobretudo cansaço...

O que há em mim é sobretudo cansaço —
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.
A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas —
Essas e o que falta nelas eternamente —;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.
Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada —
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço...
9-10-1934
Poesias de Álvaro de Campos. Fernando Pessoa. Lisboa: Ática, 1944 (imp. 1993).

3 comentários:

  1. Força Lualis, você é minha inspiração.
    Não desista.

    Abraço,
    Cynthia

    ResponderExcluir
  2. AMOOOOO Fernando Pessoa!!!!!! Adorei =)

    ResponderExcluir
  3. Força aí...
    Me identifiquei... Cansada, cansada...
    Bjão

    ResponderExcluir

um incetivo, um puxão de orelhas...
Obrigada pela presença!

Quer ler um post mais antigo? Pesquisa aí:

Compromisso Pessoal

Compromisso Pessoal